• Av Juriti, 144 - Moema - São Paulo
  • (11) 5053-2222

Andreas Vesalius

Andreas Vesalius

Andreas Vesalius, nascido em 1514, em Bruxelas, freqüentou as universidades de Louvain, Paris e Pádua, formando-se médico em Pádua, em 1537. Antes dele, vários estudaram e descreveram a anatomia humana. Herófilo, de Alexandria, no século IV a.C., teve suas observações queimadas. Galeno, no século II d.C., teve suas observações anatômicas tão consagradas, que discordar delas era heresia, mesmo contendo muitas descrições errôneas, baseadas em animais. Mondino DeLuzzi, com sua Anothomia publicada em 1478 e escrita em 1316, passou a realizar dissecações, porém manteve os erros de Galeno. Berengario da Carpi, em 1521, encarregado da cadeira de cirurgia e anatomia em Bolonha, publicou seu livro, Comentários à Anothomia, baseado em dissecações humanas, muito embora fossem diagramas rústicos, corrigiu algumas concepções anatômicas equivocadas de Galeno.
Andréas Vesalius revolucionou o estudo da Anatomia, ao revirar ossos em cemitérios, e dissecar cadáveres em seu quarto e publicar, em 1538, aTabulae anatomicae sex, obra que pela primeira vez, em séculos, corrigiu diversos erros pequenos de Galeno, com desenhos artísticos de ossos e músculos humanos. Mudou a concepção da anatomia, que era ensinada a boa distância do cadáver e lendo textos de Galeno, dissecando ele mesmo os corpos, sem luvas, antisépticos ou soluções de conservação. Com 29 anos, em 1543, publicou De humani corporis fabrica, libri septem, mais conhecido como Fabrica, o maior livro médico já publicado, causando assombro na comunidade, por sua imponência e conteúdo. Apontou os erros insistentes de Galeno, desagradando muitos contemporâneos. O Livro 1 dedica-se ao estudo dos ossos, o livro 2 aos músculos, o livro 3 às artérias e veias, o Livro 4 ao sistema nervoso, o Livro 5 aos órgãos abdominais, o Livro 6 ao coração e pulmões e, finalmente, o Livro 7, ao cérebro. Publicou o Epítome, uma condensação do Fabrica, para que os estudantes utilizassem na mesa de dissecação.

Seus alunos e sucessores também seguiram com descobertas anatômicas. Realdo Clombo (1512-59), sucessor de Vesalius em Pádua, descreveu acuradamente a circulação sanguínea do ventrículo direito para o ventrículo esquerdo do coração, passando pelos pulmões e o próprio coração, publicando o De re anatômica. Gabriel Falópio (1525-62), sucessor de Colombo, descreveu processos anatômicos não descritos por Vesalius, como os órgãos femininos, descrevendo pela primeira vez o ovário e as trompas do útero, que levam o seu nome atualmente, e atribuiu nomes à vagina, placenta e clitóris, que antes não tinham nome. Bartolomeu Eustáquio (1520-74) escreveu um esplêndido manuscrito em 1552, esquecido por 150 anos na Biblioteca do Vaticano, publicado em 1714 pelo cardiologista Giovanni Lancisi, além de apontar erros no Fabrica, também fez observações negligenciadas por Vesalius, descrevendo corretamente o rim humano, a glândula supra-renal e a trompa que liga o ouvido médio à cavidade oral, que leva seu nome.
Vesalius mudou conceitos e relatou nova anatomia, mas isso não foi tudo, o principal foi a inovação na maneira de estudar e ensinar, mostrando o caminho para novas descobertas.
 
Dr Alexandre Amato